terça-feira , 16 Janeiro 2018
Home / Geral / Supostos índios que invadiram fazenda de Geddel dizem que terra é ‘sagrada’ e querem demarcação

Supostos índios que invadiram fazenda de Geddel dizem que terra é ‘sagrada’ e querem demarcação

indios Supostos índios que invadiram fazenda de Geddel dizem que terra é 'sagrada' e querem demarcação
Os índios pataxó que ocuparam a fazenda atribuída ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e ao irmão dele, o deputado Lúcio Vieira Lima, no município de Potiraguá, no sul da Bahia, já estão no local há quatro dias e querem a demarcação das terras, que segundo eles são indígenas. A área tem, ao todo, 643 hectares, o que equivale a 643 campos de futebol.
Os indígenas, de várias aldeias da região, dizem que, na fazenda, existem ao menos três cemitérios indígenas e que, por isso, o local é considerado “sagrado”. “Foi uma ocupação pacífica. Nosso objetivo aqui, nesse local, é a nossa terra sagrada”, disse o índio Araruã Pataxó. “Precisamos ocupar aqui, porque é o nosso território”, afirmou outro índio, o Capitlé Pataxó.
A Polícia Civil do município, que até então estava à frente das investigações, encaminhou o caso para a Delegacia da Polícia Federal de Vitória da Conquista, no sudoeste do estado. Isso porque a PF, segundo a Polícia Civil, é o órgão reponsável por atuar em situações como essa, que envolvam indígenas.
Apesar da ocupação na fazenda, o clima em Potiraguá é de tranquilidade. Nesta terça, uma equipe da Polícia Militar fez uma ronda na região. “Encontramos um clima de paz, um clima tranquilo. Orientamos os mesmos [os índios], em caso de haver alguma iminência de conflito aqui, a buscar intervenção da Polícia Militar”, destacou o comandante da PM Major Edmário Araújo.
Até o último sábado (23), mais de mil cabeças de gado estavam na fazenda, mas, segundo os índios, no domingo (24), funcionários da fazenda levaram os animais. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Geddel e nem com o deputado Lúcio Vieira Lima nesta terça.

Comments

comments

Veja Também

Bahia tem 5,5 mil meninas com menos de 15 anos vivendo em uniões conjugais

Aos 14 anos, uma adolescente está aprendendo a lidar com equações de segundo grau; talvez ...

Close